Drenando o mar Mediterrâneo?

Todos sabemos que a Europa não é o maior continente do mundo, na verdade é o segundo menor, mesmo que seja o continente mais bonito em que você possa viver com grandes oportunidades de forex trading. Mas e se aumentássemos o tamanho da Europa? E não estamos falando apenas de pequenos aumentos como a recuperação de terras na Holanda, mas de um aumento de 2,5 milhões de quilômetros quadrados, cerca de 25% da área atual da Europa. Mas por que deveríamos considerar fazer isso e quem é louco o suficiente para ter a ideia em primeiro lugar?

O inventor

O arquiteto alemão Herman Sörgel propôs o esquema pela primeira vez em 1929, depois o popularizou três anos depois em seu livro “Atlantropa”, que seria o nome da nova área terrestre.É bastante refrescante quando um inventor maluco não é egoísta e não o fez. decida chamá-lo de “Hermanland”, que soa super feio.

A ideia

Os projetos da Atlantropa previam três barragens gigantescas que superam as superestruturas contemporâneas como a represa das Três Gargantas da China. A maior barragem seria construída através do Estreito de Gibraltar entre Espanha e Marrocos, separando o Mediterrâneo do Oceano Atlântico. Uma segunda barragem iria bloquear os Dardanelos e fechar o Mar Negro. Como se isso não bastasse, uma terceira barragem se estenderia entre a Sicília e a Tunísia, cortando o Mediterrâneo em duas, com níveis diferentes de água em ambos os lados.

Este teria sido o maior projeto de construção da história da humanidade e mudaria o mundo daqui para frente.

Qual seria o objetivo?

O resultado não seria uma terra totalmente seca entre os continentes, mas uma tremenda quantidade de energia hidrelétrica e muitas novas terras para cultivar. Isso reduziria a quantidade de gases de efeito estufa na atmosfera e pode até ter impulsionado invenções como a carro elétrico

O projeto não deveria apenas fornecer grandes quantidades de energia à Europa e à África, mas também unir as nações europeias em um objetivo comum e aliviar as tensões pós-Primeira Guerra Mundial.

O impacto geológico

Geologicamente falando, não vai acontecer muita coisa. O Mediterrâneo tem em média 1500 metros de profundidade, e remover 200 desses metros não é tão importante, pois os peixes e a vida selvagem ainda sobreviveriam sem problemas. O volume de água do Mediterrâneo é pequeno em comparação com o oceano, portanto o aumento do nível do mar em outros lugares será modesto, para que Portugal não se afogue.

O maior problema é que o Mediterrâneo é salgado, e apenas remover parte da água tornaria a nova terra incrivelmente salgada. Não haveria animais que pudessem habitar a terra e não seria possível cultivá-la. Portanto, além de produzir muita energia, só haveria desvantagens com o conceito Atlantropa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *